terça-feira, janeiro 16, 2018

Marcados : parte :08


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

  Num escritório do governo, uma pessoa de terno e gravata, cabelos pretos, com fios brancos, estava pesquisando coisa no computador, então uma pessoa entra na sala.
  - Posso entrar? - disse a pessoa.
  - Claro pode sentar - disse a pessoa de terno.
  A pessoa sentou.
  - Senhor Claus, temos um problema com relação ao incidente.
  O Claus a pessoa de terno, fica com uma pose ereta, sabe do grande problema que foi o incidente do supermercado, achava que tudo tinha se resolvido, mas pelo que parecia, estava errado.
  - O incidente foi resolvido - disse o Claus.
  - Não senhor, não foi.
  Claus bateu na mesa, estava querendo dizer alguma coisa, mas estava fazendo o máximo para controlar a sua voz, sabendo de todo o perigo que foi o incidente, não estava preparado para ouvir que o incidente acabou.
  - Foi um zumbi - disse o Claus.
  - Não.
  - Se não é zumbi então tudo bem, não tem perigo maior do que eles.
  - Acho que o senhor está enganado.
  - Os zumbis podem contaminar uma população inteira nada pode ser pior do que eles.
  - Sim, pode.
  - Como a pessoa que pode controlar a população.
  - O Quê?
  Ele se levanta, fica muito surpreso com essa informação, ficava pensando no que ele podia fazer para impedir que essa situação piore cada vez mais, o que parece impossível.
  - Mas eu ouvir dizer que todos foram transformados em zumbis - disse o Claus.
  - Aparentemente não.
  - Temos alguma informação quem é essa pessoa?
  - Infelizmente não.
  - Ele sabe sobre a gente.
  - Ele está atacando agencias, com algum envolvimento com o vírus.
  - Isso inclui a gente.
  - Exato.
  - Nós temos que achar essa pessoa, faz o que puder, não podemos deixar essa pessoa destruir tudo o que a gente construiu, nós que prender essa pessoa custe o custar, procure pelas câmeras de vídeo do supermercado e descubra se alguém mais sobreviveu.

                                                                   Continua...

Veja parte anterior: 01, 02, 03, 0405, 06, 07

segunda-feira, janeiro 15, 2018

Marcados : parte :07


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

  A Julie decidiu ir em direção ao Jonson, para ele finalmente dar algumas respostas sobre a situação toda, quer saber o que mais esse vírus pode fazer, não sairia da sala dele até conseguir alguma informação.
  Chega ao local de trabalho, acaba vendo a mesma coisa como no outro prédio, corpos mortos espalhados pelo chão, foi correndo em direção da sala do Jonson, quando entrou viu ele morto no chão.
  - Meu deus o que está havendo?
  Começou a procurar pelos vídeos das câmeras de seguranças para ver se algum deles conseguia ver alguma coisa, mas de novo todas as fitas foram apagadas, isso a deixou com raiva.
  Ela viu uma mulher andando devagar e tremendo, estava chorando.
  - Ola.
  A mulher aponta a arma em direção a Julie levanta as mãos.
  - Calma, calma, sô quero saber o que aconteceu aqui.
  - Você não fez isso? - Disse a mulher.
  - Não eu acabei de chegar.
  - Estão todos mortos.
  A mulher estava visivelmente abalada com essa situação toda, então a Julie sabia que ela devia ir com calma, quando ia falar alguma coisa, se não pode atirar nela.
  - Você não sabe quem fez isso? - Disse a Julie.
  - Não.
  - Você sabe pelo menos sabe o que houve.
  - Eu vi algum deles atirando na própria cabeça.
  - Mais de um?
  - Sim.
  - Mais alguma coisa?
  - Eu vi algum deles apontando a arma para alguém, mas eles simplesmente ficavam paralisados, depois morria de dor de cabeça depois isso acontecia com eles.
  - Não conseguia ver quem era?
  - Quando vi isso acontecendo com os outros imediatamente eu sair correndo, fui me esconder, parece que eu conseguir sobreviver.
  - Nós temos que sair daqui.
  - Por quê?
  - Eu acho que tem um SWAT vindo.


Veja parte anterior: 01, 02, 03, 0405, 06

sexta-feira, janeiro 12, 2018

Marcados : parte :06


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

  Quando a Julie atirou para matar, notou que quando ouviu que ela era uma sobrevivente do incidente, nesse momento ele tentou atirar, pensava será que esse vírus fazia outra coisa alem de transforma as pessoas em zumbis.
  Ficava olhando tudo em volta tentando dar algum sentindo em toda aquela loucura ficava procurando qualquer tipo de informação, mas parecia que todos os computadores foram destruídos.
  Também tinha esperança de encontrar outro sobrevivente, mas pelo que parecia ninguém mais havia sobrevivido aquele massacre, sem saber o que fazer simplesmente sentou em uma cadeira.
  Quando olhava para os corpos mortos, o quebra cabeça formava na mente dela, como isso tinha alguma coisa haver com o vírus, o que será que eles não estão contando sobre ele.
  Sabia que sô uma pessoa saberia a resposta disso tudo, era o Jonson de novo tentou ligar de novo, mas chamava e chamava e ninguém atendia, ficou com raiva e se levantou.
  - Você tinha que me abandonar nessa hora.
  Ela ver uma pessoa da SWAT entrando, quando eles a viram começaram a atirar, imediatamente começou a correr se escondeu atrás de uma parede, quando algum deles se aproximava, a Julie começava atirar neles.
  Uma das pessoas da SWAT jogou uma granada.
  - Você sô pode está de brincadeira comigo.
  Começou a correr, entrou nas escadarias, então houve uma explosão, depois foi descendo ficava vendo se tinha alguém embaixo, estava descendo devagar tentando chegar a saída mais rápido possível.
  Sabia que ela ia morrer se fosse num confronto direto com eles, por isso sempre os enfrentava de pouco e pouco, mas mesmo assim não sabia se ia conseguir sobreviver à situação.
  Quando chegou perto de uma porta, o pessoal da SWAT abriu a porta, a Julie ficou atrás da porta, quando eles passaram, ela conseguiu sair de fininho, conseguindo evitar eles.
  Ficou vendo que o pessoal da SWAT, estava derramando gasolina em todo o lugar, achou muito estranho, por que sabia não isso que eles faziam, estava claramente apagar os rastros.
  Ficou pensando quem será que deve está fazendo tudo isso, devia ser alguém muito poderoso, ficava pensando se eles estavam na folha de pagamento do governo.
  - Quem está financiando tudo isso.
  Ela estava andando e umas pessoas da SWAT, viram começou a atirar, ela começou a sair correndo, ficava correndo pelos corredores, até conseguir encontrar uma saída.
  - O Jonson me paga, ele vai me dizer tudo que ele não está me dizendo.
  Quando saiu viu a SWAT queimando tudo, quando tudo estava em chama, viu eles completamente perdidos, ficavam olhando de um lado para o outro, como se não soubessem como vieram parar ali.
  - O que está havendo?

Veja parte anterior: 01, 02, 03, 04,05

quinta-feira, janeiro 11, 2018

Marcados : parte :05


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

  A Julie vai para o Lugar que o jonson mandou, então chegando ao lugar à porta estava fechada, ela dar um chute na porta quebrando ela, então entra na residência, ficava com arma apontada para frente.
  Ela via muitos corpos mortos todos tinham lagrimas de sangue, com se o celebro deles explodirão, estava para por um momento, ficava tentando entender a situação.
  Quando viu as câmeras de seguranças foi tentar ver algum vídeo do ocorrido, mas quando viu os arquivos das câmeras estavam todos apagados, claramente alguém sabendo limpar seus traços.
  Ela tenta ligar para o Jonson, mas estava tocando e tocando e ele não estava atendendo, achou isso estranho ele sempre atendia as ligações, ficava pensando se algo tinha acontecido com ele.
  Então uma pessoa aparece apontando a arma para ela.
  - Calma não atire - disse a Julie.
  - Quem você? - disse a pessoa.
  - Eu fui mandada aqui para resolver a situação.
  - Foi você não foi?
  - Não eu juro, trabalho para agencia.
  Ele abaixa a arma, ela também abaixa as mãos.
  - O que foi que aconteceu aqui? - Disse a Julie.
  - O vírus.
  Notou que nenhum deles estava com um buraco na testa ou com o sangue na boca, uma coisa que acontecia quando as pessoas iam se transformar em zumbis, sempre vomitava sangue.
  - Como no incidente do supermercado - disse a Julie.
  - Exatamente como no incidente.
  - O quê?
  - Isso por causa do vírus.
  - Eu já vi o acontece com as pessoas e não é isso.
  - Como assim você, viu você estava no supermercado?
  - Sim, estava.
  - Ah entendo.
  - O que foi?
  Ele ia apontar a arma para ela desta vez ele ia atirar, mas ela foi mais rápida, deu um tiro na cabeça dele, ainda estava com uma duvida se foi realmente aquele vírus que causou tudo isso.

                                                   Continua...

Veja parte anterior: 01, 02, 03, 04

quarta-feira, janeiro 10, 2018

Marcados : parte :04


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

  A Julie estava andando de carro, estava na cabeça o que Jonson disse que alguém está se vingando, das pessoas que morreram no supermercado, estava incomodada que ela pode está acobertando um assassino.
  Então ela liga para mim joão Rirato.
  - Alô, quem é? - Eu disse isso.
  - Sou eu a Julie.
  - A quanto tempo?
  - Ah, um bom tempo.
  - Então, o que manda.
  Ela fica parada sem saber dizer por momento, por que ela não sabe se o João é o assassino, não sabe se pode confiar nele, por isso na conversa ela vai tentar ser mais branda possível.
  - Me diga você anda vendo os outros - disse a Julie.
  - Sim ando.
  - Algum deles se sente mal com a situação?
  Eu ia dizer que eles estão bem, mas os comportamentos dos dois parecem de pessoas fazendo de tudo para não pensar na situação, mas infelizmente o assunto sempre vem nas cabeças deles, então claramente os dois não estão bem.
  - Eles dizem que estão se divertindo - Eu disse isso.
  - Como assim eles dizem?
  - Eles estão fazendo de tudo para não pensar mais naquele assunto.
  Sinceramente era uma coisa que queria esquecer, mas é quase impossível esquecer um evento traumático desses, você fica tentando seguir em frente, mas na verdade você está parado no mesmo local.
  - Vocês acham que eles estão com muita raiva do governo - disse a Julie.
  - Nós todos estamos com raiva do governo.
  - Entendo.
  - O que foi?
  - Você acha que algum deles planeja fazer nada com o governo.
  - Isso não, me parece que o Robson quer continuar a vida dele tocando na manta e a Roberta não parece ser do tipo que quer arriscar a vida, lutando contra o governo.
  - Sei e você?
  - Eu não.
  Conversamos um pouco mais ela desliga o telefone.

                                                               Continua...

Veja parte anterior: 01, 02, 03

terça-feira, janeiro 09, 2018

Marcados : parte :03


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

A Julie saiu da sala, a pessoa novamente ficava olhando os documentos, então uma pessoa com capuz vermelho, entra na sala e se senta na cadeira, a pessoa olha para a pessoa do capuz.
- Com licença quem é você? - disse a pessoa.
- Você é Jonson Valez? - disse a pessoa do capuz.
- Sim, eu sou quem é você.
- A morte.
Jonson pega um revolver, a pessoa do capuz levanta as mãos, ele tentar apertar um botão de baixo da mesa para avisar os seguranças, mas por mais que se esforça não conseguia apertar o botão.
- O que foi algum problema? - disse a pessoa do capuz.
- Não - disse o Jonson tentando apertar o botão.
- Está tentando aperta a segurança.
- Cale a boca.
A mão de Jonson fica em cima mesa, a mão com a arma, dar uma coronhada na mão sem arma, fazendo o Jonson gritar de dor, caiu no chão, depois que sentiu a dor, sentou na cadeira.
- Por que você fez isso com a sua própria mão - disse a pessoa do capuz.
- Eu não fiz isso por querer.
- Você não quer chamar por ajuda.
Jonson tentava gritar, mas não estava conseguindo, isso o estava apavorando.
- É você? - disse o Jonson.
- Sim.
- Como?
- Você sabe muito bem.
- É impossível, ela disse que só ela sobreviveu.
- É vamos dizer que ela mentiu para você.
- Por que ela faria isso.
- Acho que ela não é do tipo que arriscar a vida de outras pessoas.
- Você quer vingança.
- Aí que você se engana nessa historia toda, eu não quero vingança.
- Então o que você quer?
- Eu quero ser o único com as minhas habilidades, para isso vou matar todo mundo que tem algum conhecimento sobre o vírus, isso inclui você.
Jonson tentar dar um tiro nele, mas o dedo não se movia então a mão estava apontando a arma para a própria cabeça, ele estava gritando por ajuda, então ele atirou na própria cabeça, a pessoa do capuz saiu da sala.


Veja parte anterior: 01, 02

segunda-feira, janeiro 08, 2018

Marcados : parte :02


Fonte da imagem: Blog do SEBRAE MS

A Julie estava numa sala, com uma pessoa, com terno e gravata e essa pessoa é careca e usava óculos, estava sentado na cadeira dele, vendo alguns documentos.
- Agente Julie você tem uma missão - disse a pessoa.
- Eu ainda não se faço mais uma missão para você.
- Está falando do incidente.
- O que mais?!
- A gente achava muito seguro para nós que o governo brasileiro, ficar-se responsável pelo vírus, não queremos estudos daquele vírus aqui, nos Estados Unidos, imagina se acontece algo de errado e aquilo se espalha aqui, como foi lá no Brasil, um funcionário de controles de doenças se descuidou e quase fudeu com o país todo.
- A única coisa que vocês me falaram quando me mandaram para a missão no Brasil, era se algo desse errado, que eu deveria avisar vocês, mas vocês nunca disseram sobre vírus nenhum.
- Eu sei que foi muito difícil, para você, mas posso lhe fazer uma pergunta?
- Manda.
- Você foi à única sobrevivente certo?
- Sim, como já tinha reportado só eu e mais ninguém.
- Todos que foram infectados pelo vírus se transformaram não é?
- Sim.
- Você tem certeza que teve uma pessoa que foi infectada pelo vírus e ficou normal.
- Como falei todos viraram zumbis.
- Pelo que vi do seu laudo medico você não estava infectada.
- Nenhum deles conseguiu me morder.
- Eu acho que tem algo que você não está me contando.
- Por quê?
- Nós achamos que tem alguém vingando as pessoas que morreram no incidente.
- Eu não sei nada sobre isso.
- É que vários locais que tinham envolvimento com o vírus foram encontrados mortos.
- Viraram zumbis?
- Não.
- Então como morreram.
- Os cérebros deles explodiram.
- Nossa.
- Sua missão é investigar o incidente.
- Estou indo.

Veja parte anterior: 01